Universidade Federal de Pernambuco - Departamento de Engenharia de Produção
Engenharia de produção é o décimo curso com mais matriculados, segundo o Censo da Educação Superior 2013 PDF Imprimir E-mail

Fonte: UOL. Publicado em 9 de Setembro de 2014.

Censo da Educação Superior: país tem 7,3 milhões de matriculados

Em 2013, o ensino superior somou 7.305.977 milhões de matrículas na graduação e outros 203.717 na pós-graduação. Os dados são do Censo da Educação Superior, divulgado na tarde desta terça (9) pelo MEC (Ministério da Educação) em Brasília.

Entre os 7,3 milhões de universitários, 5.373.450 estudam em instituições particulares e 1.932.527, em públicas. No total, são 2.391 instituições de ensino superior, sendo 2.090 particulares e as outras 301 públicas.

Mais da metade dos universitários (53%) estão matriculados em 195 universidades, que representam 8,2%. As faculdades representam 84,3% e concentram 29,2% dos estudantes.

Os cursos presenciais ainda são a esmagadora maioria, representando 90%. O EAD (Ensino a Distância), no entanto, cresceu 15,7% entre 2012 e 2013.

Engenharia de produção é o décimo curso com mais matriculados, segundo o Censo da Educação Superior 2013, com cerca de 144 mil universitários.

Administração aparece no censo 2013 com 800,1 mil matrículas, direito com 769,8 mil e pedagogia com 614,8 mil. Na sequência, ciências contábeis (328 mil), engenharia civil (257,2 mil), enfermagem (228,5 mil), psicologia (179,8 mil), serviço social (173,7 mil), gestão de pessoas/RH (172 mil) e engenharia de produção (144,1 mil).

 
UFPE ganha mais projeção com avaliação trienal da Capes PDF Imprimir E-mail

Fonte: INCampus UFPE publicado em Março de 2014

Os programas de pós-graduação stricto sensu da UFPE ganharam mais projeção após a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) divulgar as notas da Avaliação Trienal 2013. Os cursos reconhecidos de mestrado e de doutorado do País foram analisados no triênio 2010-2012 e receberam, ao final da avaliação, uma nota, que variou numa escala de 1 a 7.

Para a UFPE, o grande destaque do resultado foi o número expressivo de PPGs que ganharam o conceito 6, conferido aos cursos de reconhecida excelência e que apresentam impacto e cooperação internacionais. Na avaliação anterior, referente ao triênio 2007-2009, dois programas tinham recebido esta nota.

Com o novo resultado, esse número saltou para sete, um fato inédito e que posiciona a UFPE como a instituição com maior número de conceitos 6 nas regiões Norte e Nordeste.

Confira o resultado geral publicado pela Capes em seu site e que contém a lista dos programas de pós-graduação da UFPE que receberam notas de 3 a 6: http://www.ufpe.br/propesq/images/propesq/posgraduacao/avaliacao_trienal_capes_2013.pdf

 
PPGEP-UFPE é um dos programas de pós-graduação em engenharia oferecidos no Brasil com padrão internacional, destaca revista EXAME PDF Imprimir E-mail

Fonte: Revista EXAME. Publicado em 14 de Fevereiro de 2014.

Mestrado e doutorado em engenharia

São Paulo - Dos 352 programas de mestrado e doutorado em engenharia oferecidos no Brasil, apenas 46 tem padrão internacional.

É o que revela estudo feito pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) divulgado no final do ano passado. Na prática, isso significa que eles tiveram nota 6 ou 7 nas avaliações feitas pela Capes entre 2010 e 2012.

A análise levou em conta formação dos professores, produção intelectual e infraestrutura, entre outros aspectos.

O resultado: dos 3.337 programas de pós-graduação, apenas 406 ficaram com nota 6 ou 7. Com isso, apenas 12% dos cursos de pós oferecidos no Brasil têm padrão internacional.

 
CNPq presta homenagem a professora do Departamento de Engenharia de Produção da UFPE PDF Imprimir E-mail
Fonte: CNPq publicado em 15/03/2014

O Programa Mulher e Ciência incluiu a professora Danielle Costa Morais, do Departamento de Engenharia de Produção da UFPE, entre as 22 jovens pesquisadoras escolhidas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), como homenagem no Dia Internacional da Mulher. A lista divulgada divulga contempla o trabalho de jovens cientistas brasileiras, pesquisadoras de reconhecido mérito acadêmico, que se destacaram desde o período estudantil, construindo uma vida acadêmica de reconhecimento nacional e internacional, com larga produção científica e importante atuação na formação de recursos humanos.

Danielle Costa Morais - PQ 1DEngenharia de Produção - UFPE/PE

Danielle Costa Morais nasceu em 9 de dezembro de 1979, em Recife/ PE. Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade de Pernambuco (2000), mestrado e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2002 e 2006, respectivamente, sempre sob a orientação do professor Adiel Teixeira de Almeida. Entre 2004/2005 fez um doutorado sanduíche como bolsista da CAPES na University of Southampton, SOTON, Grã-Bretanha. Ainda nesse período realizou um estágio na School of Civil Engineering and The Environment. A seguir, fez um pós-doutorado na Universidade Federal de Pernambuco e outro pós-doutorado pela Concordia University (2007) como bolsista da Social Sciences and Humanities Research Council of Canada. Desde 2007, é Professora Adjunta IV na Universidade Federal de Pernambuco e a partir de 2013, também Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção.

Sua experiência na área de Engenharia de Produção, com ênfase em Pesquisa Operacional, desenvolve estudos nas seguintes linhas de pesquisa: 1. Recuperação de Estruturas 2. Materiais de Construção 3. Aplicação de métodos Multicritério de Apoio a Decisão 4. Saneamento 5. Decisão Multicritério 6. Gerenciamento de Sistemas de Abastecimento de Água 7. Líder de Grupo de Pesquisa: Gestão e Negociação de Recursos Hídricos. No momento desenvolve o projeto “Modelos de Decisão em Grupo e Negociação para Melhoria de Sistemas de Abastecimento Público de Água”.

Membro do corpo editorial dos periódicos Pesquisa Operacional para o Desenvolvimento, Revista Produção e Group Decision and Negotiation e revisora de 16 periódicos nacionais e estrangeiros. Ganhou em 2008 o Prêmio CAPES de Tese 2007 - Engenharias III, CAPES e Laureada da turma de Engenharia Civil, Universidade de Pernambuco (UPE) - Escola Politécnica de Pernambuco (POLI).

Publicou 21 artigos em periódicos indexados, predominantemente internacionais; organizou 1 livro e publicou 4 capítulos. Publicou 61 artigos completos e 14 resumos expandidos em anais de congressos. Concluiu a orientação de 25 dissertações de mestrado, 6 teses de doutorado, 12 trabalhos de conclusão da graduação e 7 de IC.

Fonte: http://lattes.cnpq.br/0425151719064564 em fevereiro de 2014

Depoimento:

A) Quais foram os fatores de sucesso na sua carreira acadêmica e científica?

Acredito que uma das principais características para quem quer seguir a carreira acadêmica e científica é o desejo de aprender algo mais, descobrir novos caminhos e oportunidades para inovar sempre. Na minha vida acadêmica, tive a chance de conviver com professores bem sucedidos que fizeram a diferença na minha caminhada, fazendo-me perceber que um pesquisador pode realizar muito pela sociedade, focando seus esforços e dedicando-se integralmente ao desenvolvimento daquilo que se propõe a estudar. Iniciei minha vida de pesquisadora já na graduação com a iniciação cientifica, depois mestrado, doutorado e pós-doutorado, e a curiosidade de descobrir novas técnicas e ferramentas continua estimulando a minha imaginação para o desenvolvimento de novas pesquisas.

O apoio concedido pelo CNPq com a bolsa de doutorado e pós-doutorado e pela CAPES com a bolsa de doutorado sanduíche na Inglaterra também foram pontos cruciais para minha formação. Essas pesquisas deram como resultado publicações em periódicos internacionais de grande relevância na área e o prêmio CAPES de Teses. Posteriormente e com a continuidade dos trabalhos e publicações, fui contemplada com bolsa de produtividade em pesquisa do CNPq. Como professora universitária, tenho o privilégio de multiplicar o conhecimento adquirido academicamente em uma área que considero de excelência. Hoje, tenho consciência de que toda esta longa caminhada de trabalho árduo foi apenas o início de uma contínua busca por novos desafios e que tenho como objetivo pessoal, progredir na carreira acadêmica e científica dentro do ambiente universitário, esperando manter sempre essa energia que me impulsiona.

B) Quais foram as principais dificuldades encontradas no decorrer dessa carreira?

Em toda carreira, seja ela qual for e independente da área, encontram-se dificuldades. O importante é ter motivação para ultrapassar as barreiras. Destaco como principal dificuldade a busca de investimento para melhoria dos laboratórios de pesquisa, bem como financiamento para intercâmbios institucionais, como participação em congressos e seminários para divulgação das pesquisas e viabilização do desenvolvimento de novas parcerias. Outra dificuldade é que a carreira acadêmica no nosso país ainda é muito desprestigiada, o que desmotiva os jovens a ingressarem nesse ramo, dificultando o desenvolvimento de novos talentos
 
Engenheiro de Produção está entre os quinze profissionais mais procurados no Brasil segunda a Folha de São Paulo PDF Imprimir E-mail

Fonte: Folha de São Paulo. Publicado em 9 de Junho de 2013.

A Folha ouviu as consultorias Michael page, Robert half, Adecco, Quality Training Recursos Humanos, Robert Walters, Mercer, Mariaca, Asap, 2get e Manpower para descobrir os 15 profissionais mais em falta no país na atualidade.

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Próximo > Fim >>

JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL