Universidade Federal de Pernambuco - Agência de Notícias - Clipping
Encontro dos Sem Terrinhas reúne centenas de crianças em Caruaru (PE) PDF Imprimir E-mail

11/10/17

Teve início no último domingo (8) e se estendeu até a terça-feira (10) mais uma edição do Encontro dos Sem Terrinhas de Pernambuco. É o 13º encontro infantil promovido pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no estado. Este ano o evento reuniu 800 crianças de 4 a 12 anos de idade na cidade de Caruaru, região Agreste do estado.

Na noite de abertura do encontro, no domingo (8), as crianças brincaram com palhaços, houve apresentação de teatro de mamulengo, muita pipoca e algodão doce. A segunda-feira foi reservada para as diversas oficinas diretas, de pintura, capoeira, corda bamba, fabricação de sabonetes e outras, oferecidas por artistas e estudantes que se colocaram à disposição do encontro.

Um grupo de 100 crianças foi ao Centro Acadêmico do Agreste (CAA) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) para conhecer a instituição, foram à biblioteca, brinquedoteca e participaram de oficinas e jogos pedagógicos. Ainda na segunda as crianças socializaram o aprendizado das oficinas e, à noite, participaram de uma festa infantil, para dançarem e se divertirem.

Uma das dirigentes do MST que ajudam a construir o encontro é Rubneuza Leandro. Ela afirma que que o evento, sempre realizado na semana do dia das crianças, tem por objetivo trabalhar a infância dentro do movimento e fortalecer entre as crianças os valores e as vivência da infância sem terra. “As crianças participam do processo de luta desde a ocupação. E a luta tem de forjar os construtores do futuro”, afirma a sem terra. O encontro dos Sem Terrinhas ocorre desde 1996. Cerca de 100 dessas crianças participarão, em 2018, do 1º Encontro Nacional dos Sem Terrinhas.

Durante os três dias de encontro, são trabalhadas três dimensões da infância. A primeira, a lúdica, está presente nas brincadeiras, nos jogos, na programação cultural com palhaços. A segunda dimensão é a pedagógica, que está presente no estudo da temática do encontro – a deste ano foi alimentação saudável –, pelas músicas infantis construídas dentro do próprio movimento, as oficinas vivenciadas durante o encontro e até mesmo no ato de se deslocar de uma região para outra.

A terceira dimensão é a política e organizativa, que tem início já na preparação para ir ao encontro, na construção da pauta de reivindicações aos órgãos governamentais e culmina com a marcha, em que colorem as ruas com suas bolas de festa e ornamentos, fazendo uma caminhada festiva para o diálogo com os representantes do poder público.

Tanto na noite de abertura como em momentos da segunda-feira as crianças foram provocadas a responder o que elas querem para viver bem no campo. “Entraram na pauta a construção das escolas de nível médio, para que os jovens não parem de estudar ao concluir o fundamental e nem precisem sair dos assentamentos para estudar; contra o fechamento das escolas do campo, que é algo que tem afetado muito essas crianças, porque as prefeituras estão fechando as escolas; e os dois ônibus para as crianças irem ao 1º Encontro Nacional dos Sem Terrinhas, em maio de 2018”, diz Rubneuza Leandro.

Também entraram na pauta reivindicações ao Governo Federal, como o fim dos cortes nos recursos para reforma agrária e o início dos cursos do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), que são cursos técnicos nas áreas de agronomia, serviço social e história para a juventude sem terra.

As reivindicações foram entregues às autoridades nessa terça-feira (10), dia que começou cedo para os 800 pequenos. Eles saíram em marcha do Assentamento Normandia, passaram pelo Colégio Municipal até chegarem ao Marco Zero da cidade. No local as crianças entregaram suas pautas a representantes da Prefeitura de Caruaru, do Governo de Pernambuco e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), órgão do Governo Federal.

Rubneuza conclui que o encontro dos Sem Terrinhas visa fortalecer a vivência da criança e constituí-la como sujeito coletivo e de luta. “É isso que constitui a infância sem terra, forjando o construtor do futuro. Dentro da luta tem o lugar da infância e nessa infância precisamos alimentar o projeto de futuro, vivenciando no presente e na prática esse futuro em que as crianças possam viver com dignidade”, diz a dirigente.

Link da Matéria

 

 
Superlotação e suspensão de partos em maternidades do Recife PDF Imprimir E-mail

10/10/17

Caos em duas grandes maternidades de média e alta complexidade de Pernambuco evidenciam a situação limite que o setor enfrenta. Nesta terça-feira (10), denúncias de pacientes apontavam que o Hospital Barão de Lucena (HBL), na Iputinga, na Zona Oeste do Recife, teria suspendido alguns partos por falta de material. E no Hospital das Clínicas da UFPE, na Várzea, mesma região, houve o fechamento da maternidade devido à superlotação da unidade.

Funcionários e gestantes apontam que o quadro reflete o sucateamento da assistência ao parto em muitos municípios pernambucanos. A situação acaba estourando nos hospitais da capital, que acolhem uma demanda que, a priori, não é deles.

O centro obstétrico do HC parecia um cenário de guerra. Com capacidade para oito pacientes, o espaço tinha 27, ou seja, cerca de 300% a mais. Todas as mulheres esperavam vaga na enfermaria, que já estava com 22 mulheres e seus bebês. A UTI neonatal operava no limite de oito leitos, mas na unidade de Cuidados Intermediários (UCI) havia 19 recém-nascidos num espaço que deveria comportar dez. Pelo menos três bebês precisavam de isolamento. Um dos temores iminentes da superlotação dos espaços é um surto de infecção hospitalar.

O HC confirmou a interdição da maternidade por medida de segurança de mães, bebês e dos profissionais de saúde. Em nota, o hospital informou que a Unidade Neonatal solicitou à Secretaria Estadual de Saúde (SES) a interrupção temporária do encaminhamento de gestantes devido à superlotação. A solicitação foi atendida e, após reavaliação da situação, o plantão poderá ser reaberto nesta quarta-feira (11).

Já a SES, que gerencia o HBL, negou interrupções de partos nesta terça (10). Em nota, a pasta afirma que a emergência obstétrica esteve atendendo as mulheres que deram entrada na unidade, com prioridade para os casos mais graves de acordo com a avaliação médica e os critérios de classificação de risco. Até a tarde haviam sido realizados oito procedimentos cirúrgicos e partos.

A Central de Regulação de Leitos reconhece a grande demanda nas principais maternidades de alto risco do Grande Recife, causada, principalmente, pela deficiência das unidades municipais, que acabam encaminhando casos menos complexos para estes centros de referência. A SES informou ainda que vem dialogando com os gestores municipais sobre o fortalecimento da rede de atenção materno infantil em suas cidades.

Link da Matéria 

 
Resultado do sorteio da obra "O Golpe de 2016 e a Reforma da Previdência" PDF Imprimir E-mail

11/10/ 2017

A obra coletiva "O Golpe de 2016 e a Reforma da Previdência" (Praxis – 477p.), coordenada por Gustavo Teixeira Ramos, Hugo Cavalcanti Melo Filho, José Eymard Loguercio, do escritório Loguercio, Beiro e Surian Sociedade de Advogados, e Wilson Ramos Filho, denuncia a desconstrução dos direitos sociais por meio da Reforma da Previdência.

Inspirados no êxito dos livros "Resistência ao Golpe de 2016", "A Classe Trabalhadora e a Resistência ao Golpe de 2016" e "Resistência Internacional ao Golpe de 2016", o Instituto Declatra – Defesa da Classe Trabalhadora; Loguercio, Beiro e Surian Sociedade de Advogados; R&M – Roberto Caldas, Mauro Menezes & Advogados; e a ALJT – Associação Latino-Americana de Juízes do Trabalho decidiram organizar este novo volume denunciando, agora, a desconstrução dos direitos sociais por meio da Reforma da Previdência.

O desmonte das políticas públicas que atendem idosos e pessoas carentes com deficiência e os/as trabalhadores/as que contribuíram durante toda a vida laboral para ter uma velhice digna é um ataque brutal ao bem-estar de toda a população brasileira, em especial aos que dependem de benefícios sociais. A PEC 287/2016, que pretende reformar a previdência social, provoca o aumento da desigualdade social e regional que já assola o país e favorece empresários e rentistas.

Este volume explicita as contradições e revela as falsas justificativas do governo, dando argumentos consistentes para que a sociedade brasileira conheça, debata e lute contra esta pseudorreforma da previdência. Isso é absolutamente essencial para a luta contra o fim da previdência, da assistência social e de todas as políticas sociais para jovens e idosos, que é, ao fim e ao cabo, o que os usurpadores do poder querem fazer.

Sobre os coordenadores:

Gustavo Teixeira Ramos é sócio da banca Roberto Caldas, Mauro Menezes & Advogados. Graduado em Direito pela UnB. Pós-graduado em Direito Material e processual do Trabalho pela Universidade Mackenzie.

Hugo Cavalcanti Melo Filho é juiz do Trabalho da 12ª vara do Trabalho do Recife. Graduado em Direito pela UFPE. Mestre e doutor em Ciência Política pela UFPE.

José Eymard Loguercio é sócio do escritório Loguercio, Beiro e Surian Sociedade de Advogados. Graduado em Direito pela PUC-Campinas. Mestre em Direito pela UnB. Professor.

Wilson Ramos Filho é advogado trabalhista. Pós-doutor junto à EHESS de Paris. Professor de Direito do Trabalho e de Direito Sindical na UFPR.

__________

Ganhadora:

Lauanne Dunamaier Froz dos Santos, de São Luís/MA

Link da Matéria 

 

 
Conjunto 301: repensando memórias de um tempo em ruínas PDF Imprimir E-mail

11/10/2017

Quem passa pelo centro da cidade nem se dá conta do tanto de histórias que carregam os 14 andares do Edifício AIP, na Avenida Dantas Barreto. Na fachada, o letreiro “CINEMA AIP” ainda “grita” pela sua existência. Dentro, do 4º ao 13º andar, escombros, amontoados e penumbras sufocam esse grito.

Essa é uma realidade de um entre tantos outros prédios, públicos ou não, espalhados pelo Recife: o abandono. Mas, em meio ao tanto de histórias despedaçadas do AIP, lá dentro, uma proposta surge para repensar esse movimento de “embate” entre o progresso e as ruínas, o velho e o novo, as memórias e o presente: o Conjunto 301.

Instalados numa das salas do 3º andar do AIP, os artistas Bruna Rafaella Ferrer e Danilo Galvão se juntaram com a proposta de agregar pensamentos, ideias e projetos que dialoguem com as questões referentes à estética urbana, ao patrimônio (em ruínas), às memórias e à dinâmica desses centros urbanos.

“Para mim, o Conjunto 301 é um laboratório de questões da estética urbana, do centro da cidade. Existem noções, conceitos e situações bem interessantes que me interessam enquanto pesquisa: a ruína, as relações dentro de um centro comercial, questões de patrimônio, um monumento simbólico como é o AIP, que representa isso muito bem”, diz Bruna.

O Conjunto 301 abrirá suas portas ao público no próximo sábado (14), às 16h, com a mostra À Beira, do coletivo homônimo, formado por alunos do curso de Artes Visuais da UFPE. A exposição contará com pinturas, fotografias, instalações, videoarte e performances, e ocupará o espaço até o dia 28 de outubro.

Bruna, porém, faz questão de frisar que o Conjunto 301 não será um ateliê, e sim um espaço em que se pretende fomentar discussões – seja através das plataformas artísticas em suas mais variadas expressões, ou não – sobre essas relações inerentes aos centros urbanos, e, também, para agregar quem esteja disposto a colaborar nesse processo de ressignificação do olhar para esses centros.

“Estamos pensando formas de potencializar essa ideia e agregar pessoas que estejam interessadas em mergulhar nessa estética urbana e abrir uma porta para que essas pessoas também trabalhem aqui”, comenta ela.

“Por isso, achamos que era pertinente ocupar o AIP e usar a própria história dele, o material físico e simbólico dele como forma de pesquisa e de desdobramento para outros projetos, colaborativos, inclusive”.

“Queremos propor encontros com outros trabalhos que se relacionam com o urbano, próximo das narrativas possíveis dessas várias camadas de tempo, de história”, continua Danilo. “Entender como funcionam os tempos e os silêncios que existem aqui”, conclui.

À Beira

Nesse processo de aglutinar pessoas e ideias que venham a contribuir com a problematização dessas questões, o Conjunto 301 será inaugurado com a exposição À Beira, que ficará no espaço de 14 a 28 de outubro, sempre aberta ao público nos três sábados (14, 21 e 28), a partir das 16h.

Formado por alunos de Artes Visuais da UFPE, o coletivo À Beira surgiu como consequência da exposição. São 16 trabalhos – entre pintura, fotografia, performance, instalações, videoarte, etc – que abordam, livremente, várias temáticas, como periferia, sexualidade, etc.

O Conjunto 301 surgiu como o local mais adequado para apresentar a mostra, por extrapolar os limites das artes apenas do campo plástico, mas também desembocar no pensar e repensar referente à dinâmica urbana. “Dentro da natureza do que eles estavam pensando, e vendo o que estava acontecendo no AIP, fez todo o sentido eles virem para um lugar que também está à margem, à beira”, considera Bruna Rafaella.

A mostra fará também outras atividades. Um delas será voltada para alunos da rede estadual de ensino, que participarão de visitas guiadas à exposição, pelos integrantes do coletivo À Beira, conhecendo, inclusive, alguns dos artistas com trabalhos expostos.

Além da mostra em si, será realizada uma série de três debates (ou “conversas”, como o coletivo prefere chamar), durante a vigência da exposição, sempre aos sábados, às 16h. Como convidados, algum artista ou gestor afeito ao assunto abordado na conversa, que irão enriquecer o momento com suas vivências.

Confira a programação e os temas abordados:

14/10
Tema: Patrimônio e Resistência Cultural
Facilitadores:Lorena Taulla
Mediador: Bruna Rafaella Ferrer

21/10
Tema: Arte para quem? Insurgências coletivas em Pernambuco
Facilitador e mediador: Coletivo À Beira
>>> Após a conversa, haverá o “rolezinho” de intervenções urbanas, de lambe-lambe, nos arredores do Edifício AIP

28/10
Tema: Atualidades e novas perspectivas de um estado de arte em crise
Facilitador: Marcelo Coutinho
Mediador: Coletivo À Beira

SERVIÇO
Conjunto 301
Abertura com a mostra “À Beira”
Sábado (14), às 16h
Edifício AIP | Avenida Dantas Barreto, 576 – São José

Link da Matéria

 

 

 
HC inaugura PET Scan e aparelho de ressonância magnética PDF Imprimir E-mail

11/10/2017

O Hospital das Clínicas (HC) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) será o primeiro hospital público do estado a contar com um PET-Scan, aparelho mais moderno no diagnóstico do câncer por imagem, permitindo a detecção precoce, o acompanhamento e tratamento de câncer e de outras doenças, por meio de uma visualização eficaz do metabolismo celular.

Na tarde desta quarta-feira acontece a inauguração do equipamento e também da Ressonância Magnética, outro equipamento de diagnóstico por imagem, fornece imagem em alta definição dos órgãos internos do corpo por meio da utilização de um campo magnético, detectado anomalias que outros exames por imagem não conseguem.

A solenidade marca ainda a reabertura do Centro Cirúrgico Ambulatorial, com quatro salas, e reforma e ampliação do Bloco Cirúrgico, que passa a operar com 10 salas. O evento contará com as presenças do ministro da Educação, Mendonça Filho; do presidente da Ebserh, Kleber Morais; e do reitor da UFPE, Anísio Brasileiro.

O investimento total foi de mais de R$ 11 milhões. "Esse conjunto de ações beneficia não só os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), mas também as áreas de ensino e pesquisa, setores fundamentais num hospital-escola", explica o superintendente do HC-UFPE, Frederico Jorge Ribeiro, que recepcionará mais 10 colegas superintendentes de hospitais da Região.

Link da Matéria 

 
<< Início < Anterior 2241 2242 2243 2244 2245 2246 2247 2248 2249 2250 Próximo > Fim >>

JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL