Mercado de Trabalho

PDF Imprimir E-mail

Engenharia Elétrica

O principal mercado de trabalho para o engenheiro eletricista está voltado para as empresas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, assim como para as indústrias. A perspectiva profissional para este engenheiro é, no momento, muito boa, devido ao processo de reestruturação do setor elétrico brasileiro, que fez empresas como CELPE e CHESF voltarem a contratar engenheiros, bem como o surgimento do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), com escritório regional em Recife, o qual também tem contratado engenheiros.

Também há o mercado profissional em crescimento nas áreas de consultorias, especialmente no combate ao desperdício de energia elétrica e no desenvolvimento de novas fontes geradoras de energia elétrica.
Por outro lado, a criação dos fundos setoriais em energia elétrica tem estimulado bastante a pesquisa na área de Engenharia Elétrica, levando alguns dos alunos formados a continuarem no mestrado e doutorado como pesquisadores.

Engenharia de Controle e Automação

A região metropolitana de Recife, onde está situada a UFPE, possuiu um enorme potencial industrial que após anos de crise econômica, apresenta um crescimento sólido no presente e a tendência de despontar como uma zona industrial das mais importantes do país em horizonte próximo. Entre as principais instalações industriais, podem-se citar grandes empreendimentos tanto na região portuária de SUAPE, como na interiorização do estado com fortes indústrias nas mais variadas áreas. A seguir relata-se um resumo das principais indústrias que estão se instalando ou foram instaladas recentemente em Pernambuco:

Amanco, Brasalpla, Pet Nordeste, Lorenpet, OxbowCarbonMinerals LCC, Máquinas Piratininga, Citepe, Urbano Agroindustrial, Wind Power/IMPSA, Gonvarri, Enertec, Bunge, M. Dias Branco, Multifarinha do Brasil, J. Macedo, Selmi,  Grupo CAMPARI, Arclima Engenharia, Tecon Suape, Suata l, Suata (Suatall), Fasa, Medabil, Coca-Cola, Termopernambuco S.A, Alphatec, Fábrica da Novartis, União Química Farmacêutica Nacional S.A., Perdigão, Sadia, Grupo Mossi & Ghisolf, Tecnovin, GRUPO FIAT (montadora e centro de pesquisa), Siderúrgica Suape, UNILEVER, Grupo ARCOR. Além dessas indústrias, um pólo petroquímico está surgindo a partir da refinaria de petróleo (Refinaria Abreu e Lima S/A- RNEST) em instalação no porto de SUAPE, onde mais de 70 empresas já se instalaram ou estão em fase de implantação no Complexo Industrial, representando investimentos da ordem de US$ 3 bilhões. Além da infraestrutura adequada, essas empresas apresentam grande carência de engenheiros qualificados na área de automação, sendo essa demanda atendida apenas parcialmente por diferentes profissionais com formação em eletrônica, elétrica ou mecânica.

A atividade industrial no estado de Pernambuco é uma das principais responsáveis pelo abastecimento do mercado da região Nordeste. Há muito, indústrias vêm pleiteando cursos qualificadores de nível mais avançado, pois seu desenvolvimento dependerá cada vez mais da disponibilidade de profissional qualificado, exigência até de sobrevivência industrial em contexto de economia globalizada.

O projeto de implantação de um novo curso na região considera o atendimento à demanda educacional, o desenvolvimento da competitividade industrial das empresas (necessidade estratégica para o Brasil, tendo em vista necessidade de exportação para o seu balanço de pagamentos) com o desenvolvimento de políticas públicas orientadas para as áreas mais carentes e, ainda, com práticas de preservação ambiental e programas voltados para o desenvolvimento urbano e industrial sustentado.