GRUPOS RESIDENTES

PDF Imprimir E-mail

ARS CANTICUS

O Coro ARS CANTICUS - Laboratório de Vozes foi criado em setembro de 2010 pelo Prof. SÉRGIO DESLANDES, como um grupo de apoio aos alunos de Regência Coral do curso de Licenciatura em Música da UFPE. Hoje o coro é formado por alunos de diversos cursos da Universidade e da comunidade externa, totalizando 20 integrantes. Com um repertório variado e eclético, que tende para a música Popular Brasileira, o grupo tem desenvolvido parcerias com diversas áreas além da música, como a Fonoaudiologia, o Design e o Teatro, que já resultaram em trabalhos acadêmicos que extrapolam a mera função de atividade de lazer.

 

Flauta de Bloco

Criado em 2008, Flauta de Bloco é um grupo musical formado por alunos de flauta doce do Departamento de Música da UFPE,  sob orientação da professora Daniele Cruz. Além de oito flautas doces, o grupo conta com a participação de estudantes e profissionais de outras áreas como contrabaixo acústico, violão, sanfona e percussão, o que confere “tempero” rítmico e timbristico particulares. Além disso, o trabalho tem sido enriquecido pela participação de uma profissional da área de dança.

Flauta de Bloco está vinculado a um projeto de pesquisa da professora Daniele Cruz Barros, cuja finalidade é expandir o repertório do instrumento, tirando o foco exclusivo da música erudita. Assim, o repertório vem abordando exclusivamente gêneros da música pernambucana como  frevos, choros, maracatus, xotes, baiões, caboclinhos, cocos, entre outros.

O trabalho do grupo tem se afirmado através da realização de concertos em eventos locais, regionais e nacionais. Em março de 2012, através do projeto Flauta de Bloco: difusão da música pernambucana e intercâmbio cultural (Edital de Intercâmbio e Difusão Cultural do Ministério da Cultura) e com apoio da UFPE, o Flauta de Bloco realizou 4 concertos na França, promovidos pela ERTA-FRANCE (Associação Européia de Professores de Flauta Doce), pelo Conservatoire Nadia et Lili Boulanger (Paris), pela Maison du Brésil (Paris) e pelo Conservatoire Regional de Grenoble em parceria com o Coral Orphéo.

 

Greia

O GREIA - Grupo Experimental de Ideias Aditivadas, é um grupo de estudo de repertório formado com alunos e professores, renovado a cada semestre e que funciona como laboratório de arranjos sobre obra de autor específico. Nosso primeiro projeto é sobre a obra de Moacir Santos. Natural de Flores, em Pernambuco tornou-se conhecido mundialmente a partir de uma série de composições que ele intitulou 'Coisas', lançadas em disco homônimo no ano de 1967. Esta obra obteve grande sucesso ao unir elementos da música afro-brasileira e norte-americana num processo de fusão com uso de formações diversas e originais.

O GREIA estreou no Recife em junho de 2011 e desde então já se apresentou na capital e nos municípios de Arcoverde e Correntes no interior do estado.

Contatos: prof. Sérgio Godoy - Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo. Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo. Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo. . Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 

Laboratório Big Band – UFPE

A Big Band é uma formação típica do Jazz, imortalizada por nomes como Glenn Miller, Duke Ellington e Count Basie. É constituída de cinco saxofones, quatro trombones, quatro trompetes e sessão rítmica. No Brasil, tem sua maior representatividade através de grupos como a Orquestra Tabajara, Mantiqueira, Banda Savana e Spok Frevo Orquestra.

O Lab Big Band UFPE, grupo fundado em 2011, nasceu com o intuito de fornecer aos alunos a experiência de se tocar em uma Big Band. Devido ao sucesso pedagógico envolvendo professores do departamento de música da universidade e integrantes, o grupo permanece ativo, apresentando-se em diversos lugares e junto a artistas consagrados.

 

Por lidar com projetos artístico-pedagógicos semestrais, o Lab Big Band convida regentes, compositores, arranjadores ou solistas que queiram atuar nesta formação específica, seguindo uma proposta totalmente voltada para a formação profissional e pessoal dos discentes. Cada convidado é colocado à frente do grupo com o propósito de trabalhar repertório, discutir suas experiências sobre a carreira profissional e problematizar assuntos como improvisação, linguagem e tantos outros recorrentes na rotina do músico contemporâneo.

 

Seguindo esta metodologia, o Lab Big Band teve a honra de receber em 2011 a maestrina Maria Aida Barroso (PE/RJ), em 2012 o pianista, flautista, arranjador e compositor Jovino Santos Neto (BR/EUA), em 2013 o saxofonista norte-americano John Murphy (University of North Texas), o saxofonista Profº Dr. Marcelo Coelho e o saxofonista e compositor Cacá Malaquias (PE). No ano de 2014 recebemos a visita de duas grandes Big Bands da Alemanha: A Uni Jazz Orchester da cidade de Regensburg e a Uni Big Band de Halle.

 

O trabalho do grupo é voltado para um repertório moderno, esteticamente conceituado, buscando ao máximo a pluralidade de gêneros musicais. O setlist consiste de passagens pelo Jazz, Samba, Funk, Bossa Nova e gêneros de matrizes pernambucanas, como o Baião e o Maracatu.

 

O Lab Big Band tem como um de seus objetivos trabalhar, sempre que possível, com arranjadores brasileiros que queiram compor peças originais para a formação ou servir de laboratório composicional para novos compositores.

 

Para mais informações: http://labbigband.com/

 

 

 

OEF - Orquestra Experimental de Frevo da UFPE

A OEF - Orquestra Experimental de Frevo - é um grupo residente do Departamento de Música da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Foi criada em 2010 e tem como meta promover interação entre estudantes e professores dos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Música da UFPE e a sociedade em geral.

 

É a primeira do gênero residente em uma Universidade e não há espaço mais propício para tratar de um tema tão caro às raízes pernambucanas que o Departamento de Música da UFPE.

 

A Orquestra Experimental de Frevo é também um espaço de estudo e aperfeiçoamento para docentes e discentes do Departamento de Música da UFPE, visando contribuir para o enriquecimento cultural e musical da comunidade alvo, concomitantemente com a divulgação do Frevo.

 

Sendo o Frevo um gênero musical eminentemente pernambucano e considerado patrimônio imaterial da humanidade, faz-se necessária a realização de ações que contribuam para seu estudo, manutenção, criação, divulgação e aperfeiçoamento, mantendo assim viva tão importante manifestação de nossas raízes culturais.

 

A OEF, desde sua criação, realiza concertos oficiais e didáticos, visando suscitar o gosto pela música pernambucana. Conta em seu repertório com frevos tradicionais e composições inéditas, cumprindo com o compromisso de fazer fruir o bem maior da cultura pernambucana, o frevo - patrimônio imaterial da humanidade. Participa ainda de projetos acadêmicos institucionais, além de eventos externos, dentro e fora do Estado de Pernambuco, dos quais podemos destacar: X Encontro Brasileiro de Clarinetistas – Natal/RN (novembro - 2011), Semana da Música da UFPE (novembro – 2011), II Mostra de Artes de Arcoverde -  Arcoverde/PE (dezembro - 2011), 1º Colóquio para Clarinetistas - Performance, Pedagogia e Pesquisa - Salvador/BA  (abril - 2012), entre outros (Leia mais).

 

Orquestra de Câmara da UFPE (Ensemble Barroco Sonoro Ofício)

A Orquestra de Câmara da UFPE (Ensemble Barroco Sonoro Ofício) iniciou suas atividades em 2010, sob a regência e direção artística do Maestro Sérgio Dias. É composta por alunos interessados na interpretação historicamente informada e por profissionais convidados. Formada por violinos, violas, violoncelos, contrabaixo, cravo, guitarra barroca e percussão, o grupo se dedica à interpretação de um repertório que se estende desde o barroco até o século XX, em especial a música brasileira.

Realce-se a participação do grupo no projeto “Ópera em Três Tempos”, no Theatro Carlos Gomes de Vitória (ES), em Novembro de 2010, quando foram encenadas as óperas Combattimento di Tancredi e Clorinda (Monteverdi), Il Maestro di Musica (Pergolesi) e Sarapalha (Harry Crowl).

No ano de 2011, a programação da orquestra incluiu os Concertos de Brandenburgo de J.S. Bach, o Requiem (em primeira audição moderna) de G. B. Pergolesi e a Cantata BWV 142 de J.S. Bach, além de audições modernas de obras de Domenico de Micco, Johann Retzel e Francesco Durante, bem como peças inéditas de compositores pernambucanos, algumas delas especialmente escritas para o grupo.
 
 

 

Grupo de Trompetes da UFPE

Originado pela iniciativa de alunos da Licenciatura em Música da Universidade Federal de Pernambuco e do professor Ulisses Rolfini, atual coordenador do grupo, seu repertório abrange desde o período renascentista até à contemporaneidade, incluindo também peças de compositores brasileiros. Além do estudo e divulgação deste repertório e do instrumento, o grupo preocupa-se com a contextualização histórica, o que tem beneficiado tanto ouvintes quanto os próprios intérpretes. Fazem parte do Grupo de Trompetes da UFPE estudantes e músicos já atuantes no mercado profissional externos à universidade, advindos do Recife e região. O mérito deste grupo está não apenas em sua qualidade artística, mas também na repercussão de âmbito social, pois propicia o encontro de profissionais e aprendizes que por meio de um trabalho conjunto e progressivo tem levado música de qualidade e promovido a arte e a cultura nos mais diversos ambientes sociais.