Livros

PDF Imprimir E-mail

alt

Livro: Rumos da Antropologia no Brasil e no Mundo: Geopólitica Disciplinares
Organizadores: Parry Scott, Roberta Bivar C. Campos e Fabiana Pereira
Ano: 2014
ISBN: 978-85-415-0484-3
Editora: Universitária da UFPE

Quando os antropólogos brasileiros se perguntam sobre os rumos que a sua disciplina está tomando, encontram-se diante de um campo de diálogos profundos e de uma literatura disciplinarmente autro-reflexiva extraordinariamente rica e diversificada. É como se estivessem numa encruzilhada de múltiplos caminhos provenientes de lugares muito diferentes, e destinados a outro tanto de lugares diferentes. Os autores que refletem sobre a história individuais, suas predileções, teóricas, seus objetos preferenciais de pesquisa, suas inserções institucionais e com muitos outros fatores. A multivocalidade foi a característica mais presente no seminário Dialogando sobre os Rumos da Antropologia Brasileira, realizado no Recife em março de 2012, onde nasceu este livro. Mas o livro cresceu, abrangendo novos autores, trabalhando com contestações e convergências, elaborando reformulações, e resgatando trabalhos marcantes. Este crescimento contribuiu para uma atualização de um debate que se sustenta na sua própria renovação constante, muito mais do que na sua resolução. Estas páginas, então, valorizam-se na medida em que provoquem novos questionamentos e observações que incorporem a reflexão aqui contida.

 

 

alt

Livro: Lá no Território: Um olhar cidadão sobre o Programa Territórios da Cidadania 
Organizadores: Josefa Salete Barbosa Cavalcanti, Paulo André Nierdele, Claude Raynaut e Angela Duarte Damasceno Ferreira
Ano: 2014
ISBN: 978-85-415-0540-6
Editora: Universitária da UFPE

Ao situar o PTC como uma das novidades das políticas públicas num amplo leque das intervenções voltadas para o desenvolvimento do país e do meio rural, o livro focaliza as dinâmicas locais segundo os olhares do chamado "público alvo" e dos agentes com os quais interagem. Nos dois territórios estudados, observaram-se os caminhos pautados pelos indivíduos, grupos sociais e intituições e os modos como esses foram afetados pelas contigências das políticas públicas e projetos de desenvolvimento. O exame das histórias particulares dos movimentos e comunidasdes singularizadas em trajetórias de classe, etnia e ocupação, comunidades indígenas, quilombolas, faxinais, assentados, agricultores, familiares, e suas representações contribuiu para a formação de um conhecimento importante sobre a realidade pesquisada. A noção de território proporcionou uma base de aproximação entre os sujeitos.

 

 

 

 

alt

Livro: René Ribeiro e a Antropologia dos Cultos Afro-Brasileiros
Organizadora: Celina Ribeiro Hutzler
Ano: 2014
ISBN:978-85-415-0474-4
Editora: Universitária da UFPE

Este livro inaugura a série de publicações da ABA, intitulada: Etnografias, Antropológas e Antropólogos, destinada a divulgação de autores, trajetória intelectuais e obras que contribuíram ou vêm contribuindo para uma história mais inclusiva da antropologia no Brasil. Nesta ocasião, nada mais oportuno do que a reedição de Cultos Afro-Brasileiros do Recife, de René Ribeiro (1914-1990), obra pioneira nos estudos sobre religião e campo ritual afro-brasileiro. René Ribeiro envolveu-se ativamente no processo de criação da Associação Brasileira de Antropologia (ABA), tendo sido eleito presidente para o biênio de 1976-78. Esta publicação intenciona divulgar a sua contribuição no campo de pesquisa antropológica, por ocasião do centenário de seu nascimento, que se celebra este ano.

 

 

 

alt

Livro: Participação Território e Cidadania: Um olhar sobre a política desenvolvimento territorial no Brasil
Organizadores: Josefa Salete BArbosa Cavalcanti, Maria de Nazareth Baudel Wamderley e Paulo André Niederle 
Ano: 2014
ISBN: 978-85-8354-001-4
Editora: Universitária da UFPE

O nosso objetivo, apoiando-nos na experiência adquirida nos dois estudos de caso, conduzidos no decorrer desta pesquisa, foi ampliar a perpectiva a partir da qual se costuma conduzir a avaliação dos projetos de desenvolvimento. Essa mudança de abordagem é induzida tanto pelas observações empíricas feitas no campo quanto pelos avanços teóricos trazidos pelos inúmeros aportes de pesquisas sobre processos de desenvolvimento - mais particulamente, de desenvolvimento rural. Ela consiste em inverter o ângulo de análise: questionando-se não apenas sobre o grau de cumprimento de seus objetivos pelo PTC, mas também sobre até que ponto e como as dinâmicas locais, as evoluções culturais, sociais e econômicas, as estratégias dos atores, inscritas numa história local de longo prazo, encontraram pontos de articulação com os elementos inovadores introduzidos por essa nova intervenção pública. Tal mudança de perpectiva é induzida pela constatação oferecida hoje pelas experiências de décadas de projetos de desenvolvimento, segundo a qual uma análise limitada à observação das intituições e procedimentos formais, à quantificação de indicadores que informam sobre o grau de cumprimento dos objetivos internos de um programa, corre o risco de deixar despercebidos movimentos periféricos, potenciais de mudança que poderão.

 

 

 

 

alt 

Livro: Migrações Interregionais e Estratégia Doméstica: Nordestinos, Mobilidade e a Casa até os Anos 1980  
Organizador: Russell Parry Scott  
Ano
: 2014
ISBN: 978-85-415-0476-8
Editora: Universitária da UFPE

Este trabalho lida com a formação de identidades estratégias de nordestinos dentro da nação no contexto de transformações nos padrões de migração e de distribuição da população brasileira com ênfase no período dos anos setenta e oitenta e numa realidade marcada, étnica e raicalmente, muito incipiente. Conserva numa redação com perspectivas correntes na época da investigação, no início dos anos 1980. Acompanha a fabricação de identidades e experiências de nordestinos que residem em diferentes locais e recorrem à estratégia de migrar-se para regiões onde frequentemente são discriminadas por serem nordestinos. O estudo revela um substrato estrutural de uso de trabalho em regiões diferentes e em sistemas econômicas difrerentes, e dá valorização à articulação do espaço da casa com estes sistemas econômicos.



 

 

liv13

Livro: Novos Estudos Sobre Família e Gênero: Cotidianos, direitos e performances
Organizadores: R. Parry Scott e Dayse Amâncio dos Santos
Ano: 2013
ISBN
:978-85-415-0370-9
Editora: Universitária da UFPE

Os "novos estudos" de família e gênero desta coletânea merecem o nome de "novos" por pelo menos três razões: 1) como artigos independentes diretamente relacionados com pesquisas para a obtenção de graus acadêmicos de bacharel, mestre, doutor e pós-doutor, os trabalhos são recentes e os dados e interpretações ainda tiveram pouca divulgação no campo dos estudos; 2) a inserção institucional diversa dos autores contribui para articular conexões internacionais, nacionais e locais que abrem possibilidades para diálogos proveitosos; e 3) as abordagens adotadas e temas eleitos refletem uma guinada que os estudos no campo têm dado, contribuindo ora com relatos etnográficos e descrições minuciosas que instigam à reflexão, ora com provocações sobre as possibilidades de interpretação que jogam novas luzes sobre assuntos em debate. O subtítulo da coletânea "cotidianos, direitos e performances", caracteriza os espaços práticos e teóricos, visitados pelos autores para discorrer sobre a disputa e estratégias de legitimação e de visibilização que tocam na vida de pessoas que buscam viver as suas relacionalidades num sentido pleno, buscando o solidário em diferentes cenários ou contextos, repletos de hierarquizações e desigualdades, seja no reconhecimento de relações afetivas, no desempenho de perentalidade, ou na busca de um prazer codificado em performances públicas. Fámilia e gênero não são os únicos temas que prerpassam transversalmente estes estudos, mas são os eixos recorrentes que dão uma consistência à variedade de objetos empíricos estudados.

 

 

 

 

Patrimônio Cultural em discussão novos desafios teórico-metodológicos.pdf 

Livro: Patrimônio Cultural em discussão: Novos desafios teórico-metodológicos
Organizadores: Carlos Sandroni e Sandro Guimarães de Salles
ISBN:
Ano: 2013
Editora: Universitária da UFPE

Com a presente coletânea, pretendemos apresentar mais uma contribuição acadêmica ao debate sobre o tema do patrimônio cultural. Desde o final dos anos 1990, com o surgimento das políticas internacionais do patrimônio imaterial, tal debate vem sendo importante catalisador de reflexão antropológica e de formas vizinhas de pensamento social em todo o mundo, e particularmente no Brasil. Memória e nação, cultura e metacultura, identidades e etnicidades, políticas públicas e mercado, materialidade e imaterialidade, eis alguns dos amplos eixos temáticos entre os quais a reflexão sobre patrimônio vêm ocupando espaço significativo. Sem surpresa, estes eixos estão presentes também nas páginas que o leitor ou a leitora tem agora em mãos. Nos artigos aqui reunidos, no entanto, quisemos trazer ênfase especial para textos construídos a partir de experiências ligadas ao patrimônio imaterial na região Nordeste do Brasil (sendo, aliás, a maioria dos autores deste volume, professores da Universidade Federal de Pernambuco). Como, no entanto, o assunto é obviamente internacional – entre outras razões, pelo papel da UNESCO como promotora de políticas de patrimônio – pareceu-nos importante incluir algumas contribuições onde tal dimensão se faz presente.

 

 

 

quando a tristeza  bela

Livro:Quando a tristeza é bela
Organizadora: Roberta Bivar C. Campos
ISBN:978-85-415-0241-2
Ano:2013
Editora:Universitária UFPE

Nesse livro encontramos, portanto, uma reflexão valiosa sobre a experiência antropológica e do papel desempenhado pelo(a) antropólogo(a) na construção da cultura que estuda. Com cuidadosa observação sobre prática no campo, reproduzindo para o leitor seus diálogos com seus pesquisados, as perguntas que eles colocam para ela, e com ela responde ou não responde, e também refletindo sobre o que sua presença e sua pesquisa podem significar para eles, Roberta Campos nos ajuda a entender argumentos como o de Roy Wagner e outros para quem o antropólogo é coprodutor da cultura que analisa.

 

 

 

habeas corpus
Livro: Habeas Corpus: Entre o Jogo de Cintura e a Rebelião
Organizadores: Mônica Gusmão,Peter Schroder
Ano: 2012
Editora: Universitária
ISBN: 978-85-415-0130-9 

O diálogo entre a Antropologia e o Direito tem animado calorosos debates que se referem às características epistemológicas de cada campo e aos limites de se perceberem como permeáveis. Neste livro, Mônica Gusmão e Peter Schröder promovem uma reflexão segura e criativa na busca de assumir uma posição mais propositiva ao debate, ao invés de apenas críticas e pontos de discordâncias. Os autores propõem o que pode vir a ser uma “antropologia das prisões”, enfatizando seu estatuo epistemológico e problematizando os desafios de uma etnografia feita neste contexto. O trabalho transita com facilidade e destreza entre a “dureza” da lei e as histórias dos adolescentes em conflito com a lei, mesclando sensibilidade na escuta, perspicácia no olhar e competência na escrita etnográfica. O trabalho de campo no qual se baseia o livro foi realizado entre os anos 2006 e 2007; no entanto, podemos transpô-lo para o momento atual para entender o que significa não apenas a aplicação de instrumentos normativos, mas a apropriação dos mesmos pelos atores sociais. A rebelião passa ainda a assumir outro significado: uma forma de comunicação que procura transpor os muros de uma instituição que pode ser entendida como “total” e que possibilita uma leitura mais ampla e arguta da sociedade brasileira contemporânea. Ressalta-se que a produção deste livro acompanha temporamente a estruturação da linha de pesquisa sobre Antropologia Jurídica, inserida no Laboratório de Estudos Avançados de Cultura Contemporânea do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFPE. Desta forma, consideramos que os caminhos estão abertos e nos incitam a quebrar barreiras. O livro também impulsiona a nos rebelar contra dogmatismos disciplinares, que mais nos aprisionam e sobre os quais também queremos exigir o nosso habeas corpus.

 

 

 

 alt

Livro: Famílias Brasileiras: Poderes ], Desigualdades e Solidariedades
Organizador: Parry Scott
Ano: 2011
Editora: Universitária da UFPE 
IBSN: 978-85-7515-885-4

Com as publicações de 2011 a série FAMÍLIA E GÊNERO do Fages-Núcleo de Família, Gênero e Sexualidade inicia um novo formato. As nossas publicações anteriores, mesmo numerosas e explícitas em sua relação à série, não tiveram nenhuma marca identificadora sistemática de pertencerem a uma série organizada pelo FAGES. A partir destas edições, iniciamos a sequência numérica formal (contando com a enumeração retroativa dos números já publicados) e um desenho de capa reconhecível duma série que pretendemos manter ativa enquanto o núcleo mantiver suas atividades de pequisa e divulgação de reflexões. A finalidade da série é divulgar resultados de pesquisas e reflexões sobre os assuntos tratados nas linhas de pesquisas do núcleo (gênero, família, sexualidade, saúde, e equidade de desenvolvimento), incluindo trabalhos escritos por integrantes do núcleo, bem como os trabalhos de outros estudiosos sobre estes assuntos, cuja vasta divulgação entre a comunidade acadêmica se mostra releveante para a ampliação do conhecimento científico e acadêmico e para a elaboração de políticas públicas.

 

 

 

 

homens e dinmicas culturais  sade reprodutiva relaes racia
Livro: Homens e dinâmicas culturais: saúde reprodutiva, relações raciais, violência
Organizadoras: Marion Teodósio de Quadros,Liana Lewis
Ano: 2011
Editora: Universitária UFPE
ISBN: 978-85-7315-985-1

As atividades, realizadas no âmbito desta bolsa, enfatizaram questões de identidade masculina, tema para o qual o FAGES tem tido um papel pioneiro, abordando-as a partir de entrecruzamentos com estudo sobre sexualidade, saúde reprodutiva, família, gerações e raça. Considerando os estudos sobre homens e masculinidades como uma das vertentes dos estudos de gênero, esta coletânea aponta para reflexões sobre questões relacionadas à saúde reprodutiva (tendo como foco a contracepção) às relações raciais e à violência. Os trabalhos consideram que a identidade masculina é diversificada de acordo com o tempo e o espaço, o grupo social, a geração, a raça, a origem étnica e as crenças culturais, evidenciando que os traços que compõem as masculinidades estão presentes nas pessoas e nas instituições. 

 

 

 

leituras de almanaque
Livro: Leituras de almanaque
Organizadores: Maria Alice Amorim,Maria Aparecida Lopes Nogueira
Ano: 2011
Editora: Universitária UFPE
ISBN: 978-85-7315-860-1

Os Almanaques ilustram sobremaneira esse preconceito de eruditos que se esquecem, eles mesmos, de acessar a grande narrativa do mundo. Vistos como curiosidades sem comprovação objetivante, são desconsiderados, não entram senão marginalmente no circuito livresco e acadêmico, atraem apenas a atenção de alguns poucos que ainda acreditam na força material, ideativa, simbólica contida em expressões culturais que permanecem atuantes no imaginário dos coletivos humanos. Organizado por Maria Alice Amorim e Maria Aparecida Lopes Nogueira, este Leituras de Almanaque, reúne textos que acessam o tema de forma diferenciada, sempre regida pela complementaridade exigida por uma comunidade de pensamento. As nove reflexões deste livro podem ser escolhidas e combinadas pela livre escolha do leitor. O importante, porém, é perceber que os Almanaques continuam mais vivos do que nunca na memória coletiva, fonte inesgotável de conhecimentos a ser degustada passo a passo, mesmo que a sociedade excitada em que vivemos os deixe de lado. É essa universalidade que devemos buscar aqui nestas Leituras, certos de que sairemos mais reconfortados para enfrentar nossos abismos interiores e nossas esperanças de um mundo melhor. Afinal, todos sabemos que a essência humana não é uma abstração própria do indivíduo, mas um trajeto inacabado das relações sociais em seu conjunto.

 

 

 

o japo no  longe daqui
Livro: O Japão não é longe daqui
Organizador: Antonio Motta
Ano: 2011
ISBN: 978-85-7315-550-1
Editora: Universitária UFPE

Atualmente, o Brasil abriga a maior comunidade de japoneses fora do Japão. Comparado com outros destinos da migração japonesa, o Brasil teve maior facilidade e motivação para conhecer a cultura nipônica e dela se aproximar, criando, assim, fortes laços de amizade entre essas duas nações. Espalhados por todo o país, os japoneses se concentraram, sobretudo, na região Sudeste. Todavia, há também uma história da migração japonesa no Nordeste, que se manteve até aqui praticamente invisível e que este livro busca desvendar. Daí sua originalidade, pois explora a presença nipônica no Nordeste contemporâneo, através de abordagens que ultrapassam o estudo dos fluxos migratórios e incluem o cenário complexo da globalização, dos transnacionalismos, do consumo e da criação de estilos de vida que bebem criativamente dos muitos recursos da cultura japonesa. Certamente, o Centenário da Imigração Japonesa no Brasil trouxe bons frutos para a comunidade nipo-brasileira e para o público em geral, e um deles foi o interesse dos pesquisadores pelo estudo das diferentes contribuições da cultura japonesa pelo Brasil afora. O instigante livro que o leitor tem em mãos é o primeiro que se conhece a explorar esse campo no Nordeste. Tecido a várias mãos, O Japão não é longe daqui é resultado de um seminário realizado na Universidade Federal de Pernambuco, em 2008, em comemoração ao Centenário, com o apoio integral da Fundação Japão de Tóquio.

 

 

 

plantaram xico os xukuru do ororub e a criminalizao do dire
Livro: Plantaram Xicão: Os Xukuru do Ororubá e a criminalização do direito ao território
Organizadoras: Vânia Fialho,Rita de Cássia Maria Neves,Mariana Carneiro Leão Figueiroa
Ano: 2011
Editora: UEA edições
ISBN: 978-85-7883-175-2

Os Xukurú do Ororubá e a Criminalização do direito do território foi organizado com intenção de reunir alguns trabalhos em diferentes momentos com o objetivos e demandas também diferentes, mas que têm uma marca em comum: a história do povo indígena Xuruku contada por episódios que caracterizam, com mais veemência, seus últimos 12 anos. O livro começa com o “Dossiê Xicão”, o titulo do livro também enfatiza o evento que é referência temporal para o inicio de uma seqüência de fatos que serão tratados no livro.

 

 

 

os fulni-
Livro: Os Fulni-ô
Organizador: Peter Schroder  
Ano: 2011
Editora: Universitária UFPE
ISBN: 978-85-415-0022-7 

Há diversos motivos que poderiam ser citados a favor de publicar um livro sobre os Fulni-ô, fora suas peculiaridades culturais já citadas em numerosos textos. O principal para esta coletânea é: os trabalhos resultantes de pesquisas tanto sobre os Fulni-ô quanto sobre outros povos indígenas em Pernambuco e outros estados do Nordeste encontra-se muitas vezes dispersos, e o acesso a eles pode ser difícil. Para próprios povos indígenas estudados, e não só para cientistas e o público geral, livros como este podem representar uma forma de prestação de contas acadêmicas e, além disso, uma fonte de idéias para debates sobre o presente e o futuro do próprio grupo. No entanto, há outro motivo importante para esta coletânea: tentar reverter a perpetuação de uma imagem negativa do trabalho antropológico entre uma parcela significativa dos Fulni-ô devido à famigerada monografia de Estevão Pinto, citada mais baixo, por mostrar que a antropologia não é sinônimo de indiscrição e revelação de segredos culturais.

 

 

 

allegories of wildness
Livro: Allegories of Wildness
Organizador: Edwin B. Reesink
Ano: 2010
Editora: Rozenberg Publishers
ISBN: 978-90-3610-178-8

A 'primitive wild people' that only Rondon could 'pacify', that was the reputation of wildness of these 'savages' around 1910. Not only that, Rondon also renamed them as the "Nambiquara" and hence, a few years later, this people acquiered its first fame in Brazil with a new name. Actually, colonial expansion and war had been part of their history since the seventeenth century.

The crossing of the enormous Nambikwara territories by the telegraph line constructed by Rondon's Mission produced, as far as known, the first real pacific contact. For those local groups most affected it proved as disastrous as all 'first contacts' without any preparation and substantial medical assistance. When Lévi-Strauss travelled through the region the so-called civilization had receded again. His research was very severely hampered by the historical consequences and by the fact the Indians still retained their political autonomy. Yet he has remarked they were the most interesting people he met and regarded this journey as his initiation in anthropological fieldwork. Tristes Tropiques made this people famous to a very large public and fixed another particular image of the Nambikwara.
And then, in the seventies and eighties of the last century, the final assault took place by their being "before the bulldozer" (as written by the best known Nambikwara expert David Price).

Only after a demographic catastrophy, permanent encirclement and great losses of territory, several Nambikwara local groups coalesced and emerged as peoples while many other local groups perished in this genocide. In effect, the so-called Nambikwara never were 'one people'.
This study explores the ethnohistory of the name, fame and fate of three of these peoples -- the Latundê, Sabanê and Sararé -- and dedicates some special attention to language loss and maintenance.

 

 

 

gnero e gereo em contextos rurais  
Livro: Gênero e geração em contextos rurais
Organizadores: Parry Scott,Rosineide Cordeiro,Marilda Menezes 
Ano: 2010
Editora: Mulheres
ISBN: 978-85-86501-96-8

Os processos que afetam as relações de gênero, de geração e de família em contextos rurais exigem uma atenção especifica que permita desvendar a vivencia de uma ruralidade cada vez emaranhada em complexas teias de poder e de significação. As hierarquias sugeridas nas categorias de gênero e geração estão em constante jogo nas redefinições existentes entre homens e mulheres, entre mais velhos e mais jovens nas relações de poder, sejam estas construídas em referencia à família (em todas as suas acepções), à comunidade, à articulação entre espaços diversos de convivência ou às adesões institucionais as quais agenciam o pertencimento a uma ou a outra dessas categorias.

Novas legislações, regulamentações e políticas públicas influenciam as relações sociais entre mulheres e homens, crianças, jovens, adultos e idosos. Estas são as questões abordadas na presente coletânea cujos autores, afinados com as constantes transformações do seu “campo” de pesquisa, realizam nesse sentido esforços no que diz respeito à permissão do avanço de idéias e do estimulo a debates.

Os artigos que compõem a coletânea abrangem contextos rurais em todas as regiões do Brasil e apresentam uma variedade considerável de metodologias. Há duas perspectivas analíticas nos textos. A primeira, de “baixo para cima”, em que as ações cotidianas, o exercício de micropoderes, o emprego de “transcrições ocultas” e de astúcias marcam as reestruturações, as reelaborações simbólicas que ficam entranhadas social e culturalmente. A segunda, de “cima para baixo”, na qual a reconfiguração de gênero e gerações ocorre com a coletivização dos interesses representados em movimentos sociais e instituições governamentais.

 

 

 

saber cuidar saber contar ensaios de antropologia e sade popu
Livro: Saber cuidar, saber contar: ensaios de antropologia e saúde popular
Organizadores: Soraya Fleischer,Carmen Susana Tornquist,Bartolomeu Figueirôa de Medeiros
Ano: 2010
Editora: UDESC
ISBN: 978-85-61136-20-8

Esta coletânea reúne autoras e autores que tem pensado sobre realidades pouco visíveis no cenário oficial do cuidado com a saúde no Brasil. As terapêuticas e os(as) cuidadores(as) são acionados diariamente a partir de uma “saúde popular” justamente pelo fato de fazerem sentido para essas pessoas e não por uma suposta falta de escolha, acesso, infraestrutura, informação ou esperança. Esperamos que este livro, composto por etnografias detalhadas, seja lido por aqueles leitores, antropólogos e não-antropólogos(as), inquietos e insatisfeitos com as versões convencionais de explicar e curar sofrimentos, porque, afinal,

“Uma sociedade também se revela a partir de um acervo de lembranças, de uma memória coletiva que se cultua e cultiva através da arte da narrativa. Esta, por sua vez, exige um publico que saiba ouvir para captar os seus mais variados tempos e movimentos. E é precisamente este público, com o seu saber e as circunstâncias de sua formação, o objeto de nossa atenção. Pois quem conta uma história o faz para um ouvinte qualificado do qual se espera entender as razões do narrador. Para que as historias, entretanto, alcancem esse estado ótimo de comunicação, é preciso, ainda, que saibamos o lugar e o momento mais adequado para que elas sejam contadas de maneira apropriada para a boa compreensão da audiência” (Soraya Silveira Simões).

 

 

 

gnero diversidadee desigualdades na educao
Livro: Gênero, Diversidade e Desigualdades na Educação: Interpretações e Reflexões para Formação Docente
Organizadores: Parry Scott,Liana Lewis,Marion Teodósio de Quadros       
ISBN: 978-85-7315-619-5
Ano: 2009
Editora: Universitária UFPE

Este livro apresenta diversos olhares sobre as temáticas de gênero, diversidades, raça, violência, direitos e educação, o que representa uma contribuição valiosa no processo de implementação da Política Educacional de Pernambuco que estabelece a formação para cidadania como princípio orientador dessa política. Os/as autores/as refletem sob diferentes enfoques, e de forma contextualizada, as desigualdades e diversidades nos campos: social, cultural, econômico, e como estas se manifestam no espaço escolar. É uma leitura fundamental para todos os/as educadores/as.

 

 

 

a diversidade no ibura 
Livro: A diversidade no IBURA: Gênero, Geração e Saúde num Bairro Popular do Recife
Organizadores: Parry Scott,Marion Teodósio de Quadros
ISBN: 978-85-7315-565-5
Ano: 2009
Editora: Universitária UFPE

Este livro resulta de pesquisa realizadas em 15 anos de interação entre o Núcleo de Família, Gênero e Sexualidade (FAGES) da Universidade Federal de Pernambuco e os residentes e organizações do bairro do Ibura, um dos mais populosos do Recife. Revela muitas desigualdades e injustiças, junto com muita criatividade e solidariedade. Reúne, em sete artigos, diversas interpretações provenientes de diferentes perspectivas das ciências sociais. Também contém materiais para orientar o desenvolvimento de ações concretas que possam ser realizadas pelos residentes dos bairros e por organizações que trabalham a favor deles. 

Diversidade foi o termo escolhido para denominar uma qualidade considerada forte no Ibura, bairro que apresenta várias facetas da convivência: conflitos, solidariedade, tensão, respeito, preconceitos, buscas, etc. A palavra diversidade evidencia diferenças e, ao mesmo tempo, uma noção de conjunto que povoa de sentidos a identidade do bairro.

Encontram-se, no decorrer destas páginas, descrições e análises sobre a vida e a história do bairro, as características da saúde, as interações entre pertencimentos religiosos e familiares, a atuação política das mulheres no cenário local, as questões relacionadas e práticas de jovens em relação à saúde reprodutiva, bem como às práticas contraceptivas e preventivas de homens (jovens e adultos) do bairro.

 

 

 

negociaes e resistncias persistentes
Livro: Negociações e Resistências Persistentes: Agricultores e a barragem de Itaparica num contexto de descaso planejado
Organizador: Parry Scott
ISBN: 978-85-7315-676-8
Ano: 2009
Editora: Universitária UFPE

Este livro acompanha uma história de moradores da beira do Rio São Francisco, pernambucanos e baianos no Sertão que foram submetidos a um processo de migração forçada por causa da implementação do projeto da barragem de Itaparica, construída para produzir energia para muitos locais no Nordeste. São, sobretudo, agricultores familiares que passaram pela experiência de transformações intensas e profundas nos cenários da sua vida cotidiana, desdobrando-se em atividades de negociações, resistência, adaptação e superação ao longo de mais de duas décadas para assegurar um espaço para retomar as suas vidas frente ás novas situações encontradas nos ambientes surgidos em função dos grandes projetos de desenvolvimento.

 

 

 

almanaque  toda a oficina da vida
Livro: Almanaque: Toda a oficina da vida
Organizadora: Maria Aparecida Lopes Nogueira
ISBN: 978-85-7044-169-0
Ano: 2008
Editora: Prefeitura do Recife/Secretaria de Cultura,Fundação de Cultura Cidade do Recife

Um vasto mural dos conhecimentos produzidos sob a égide de uma universalidade cultural selvagem – aquela que combina natureza e cultura, real e imaginário, razão e desrazão -; é desse modo que podemos definir o gênero Almanaque. Alimentado pelo ideário enciclopédico, segundo o qual “saber tudo, ou pelo menos saber alguma coisa sobre tudo” formaria o sábio, o almanaque é um exercício estranho e contundente de conexões e interdependência de noções, de tal forma a explicitar as relações parte-todo...

 

 

 

cincias e saberes na amaznia
Livro: Ciência e Saberes na Amazônia: Indivíduos, Coletividades, Gênero e Etnias
Organizadores: Nelson Matos de Noronha,Renato Athias
ISBN: 978-85-7315-558-7
Ano: 2008
Editora: Universitária UFPE

Este volume reúne textos de vários pesquisadores que estão trabalhando com essa realidade, e tem o objetivo de contribuir para o surgimento de condições mais propicias para realização sistemática, continua e não fragmentada de estudos nas áreas da etnologia e do pensamento antropológico na Amazônia. Com esta iniciativa buscamos a consolidação de grupos de pesquisa que atuam nas linhas do Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura na Amazônia, da Universidade Federal do Amazonas, e do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, da Universidade Federal de Pernambuco.

 

 

 

estudos indgenas comparaes interpretaes e polticas
Livro: Estudos Indígenas: Comparações, interpretações e políticas
Organizadores: Renato Athias,Regina Pahim Pinto 
ISBN: 978-85-7244-387-6
Ano: 2008
Editora: Contexto

Neste livro, os autores, em sua maioria pesquisadores/as indígenas, apresentam textos com uma perfeita simbiose em torno do tema estudos indígenas: comparações, interpretações e políticas. Do manejo e adequação de solos de terras indígenas á gestão de territórios, matemática e inclusão escolar de indígenas, esta obra mostra diversos nichos de estudo que vêm sendo explorados e amplia ao leitor o acesso a essas pesquisas.

 

 

 

ode a ariano suassuna
Livro: Ode a Ariano Suassuna: celebrações dos 80 anos do autor na Universidade Federal de Pernambuco
Organizadora: Maria Aparecida Lopes Nogueira
ISBN: 978-85-7315-411-5
Ano: 2007
Editora: Universitária UFPE

Este livro tem por celebrar os 80 anos desse Quixote Brasileiro; um audacioso, incansável e esperançoso viajante, que aposta em um panteon de valores capazes de preservar os benefícios civilizatórios, e exterminar-de- vez- as agruras das desigualdades e da intolerância. Tematizando dimensões múltiplas da cosmovisão suassuniana, a Ode a Ariano Suassuna é a coletânea de textos que convida a partilhar dos sonhos em acordado de autor. O livro é constituído de imagens e 11 textos; belos, arrebatadores, sensíveis e ousados que – de modo sutil e vigoroso – reconciliam prosa e poesia, ciência e arte. Expressam a inteligibilidade da natureza e uma ética societária. 

 

 

 

povos indgenas de pernambuco
Livro: Povos Indígenas de Pernambuco: Identidade, Diversidade e Conflito
Organizador: Renato Athias
ISBN: 978-85-7315-379-8
Ano: 2007
Editora: Universitária UFPE

Os trabalhos sobre os povos indígenas de Pernambuco, reunidos nesse volume, estão voltados para as temáticas da prática associativa na perspectiva do etnodesenvolvimento; para a saúde indígena e as práticas tradicionais de cura; para área da educação escolar visando um debate sobre a educação específica e diferenciada; sobre a participação indígena nos programas estabelecidos a parti de políticas públicas e na política local; sobre as questões que evocam um debate sobre a identidade étnica; e por último, no desenvolvimento de estudos, sobre a produção musical, da performance e da dança. Todos esses temas de foram desenvolvidos numa perspectiva de produzir conhecimentos sobre a construção a etnicidade, a necessidade de refletir sobre diversidade das organizações sociais e as situações de conflito como pano de fundo na produção antropológica. Estas pesquisas estão baseadas em etnografias com uma abordagem nos processos sociais e o engajamento dos pesquisadores com os povos indígenas de Pernambuco.

 

 

 

sade sexualidade e famlias urbanas rurais e indgenas
Livro: Saúde, Sexualidade e Famílias Urbanas, Rurais e Indígenas
Organizadores: Parry Scott,Renato Athias,Marion Teodósio de Quadros                                
ISBN: 978-85-7315-433-7
Ano: 2007
Editora: Universitária UFPE

Os textos aqui reunidos constituem reflexões desenvolvidas por componentes da equipe envolvida na pesquisa-açãoEstilos Reprodutivos Masculinos e Femininos e Organizações Representativas,com o apoio da Fundação Ford e do CNPq. O livro é um testemunho da riqueza cultural e dinamicidade dos moradores do bairro do Ibura, na cidade do Recife; dos agricultores reassentados do reservatório de Itaparica e dos índios Pankararu, ambos residentes do Sertão do Sub-Médio São Francisco. Este trabalho documenta parte do esforço de pesquisa e ação que enfatizou questões de saúde e sexualidade, desvendando distinções de gênero e geração no cotidiano de famílias de grupos cultural e socialmente diferentes, inseridos em três contextos distintos, em Pernambuco, no Nordeste do Brasil. O esforço faz parte de um projeto mais amplo intitulado Enfrentando Diferenças de Gênero: Consolidando e Ampliando Pesquisas e Ações em Saúde Reprodutiva (2001-2007). Durante este período, a equipe viveu uma experiência contínua de tensão positiva: entre o respeito á particularidade de cada grupo e de cada pesquisador, e a obediência a um conjunto de ações que sistematizassem um trabalho sempre ameaçado pela dispersão pela sua própria complexidade. Em plena colaboração com as populações e as suas organizações, pode-se perceber que o trabalho foi além de cuidadosa descrição etnográfica com base em gênero, geração e saúde, estimulando a elaboração de estratégias reivindicatórias e de ação, e promovendo contatos com executores, administradores e planejadores de ações governamentais e não governamentais na área de saúde (especialmente na saúde reprodutiva). A coletânea é comparativa multicêntrica. Os trabalhos e indagam sobre políticas, cultura e organização social destes diferentes grupos.

 

 

 

pensamento famlia gnero e sexualidade
Livro: Pensando Família, Gênero e Sexualidade
Organizadoras: Roberta Bivar Carneiro Campos,Judith Chambliss Hoffnagel
ISBN: 85-7315-314-8
Ano: 2006
Editora: Universitária UFPE

Esta publicação tem como objetivo a divulgação e discussão de modelos teórico-metodológicos, temas e resultados de pesquisa de pesquisadores do grupo de pesquisa FAGES, núcleo dos mais antigos do PPGA da UFPE, originado em 1983. Embora o FAGES tradicionalmente privilegie a abordagem antropológica, a perspectiva deste núcleo firma-se no diálogo com outras disciplinas, sendo hoje um grupo multidisciplinar de pesquisadores, professores, profissionais e estudantes de diversas áreas e interesses que, através de atividades de pesquisa e ação na realidade social, têm contribuído tanto para a produção acadêmica e científica como para consolidação de cidadania dos diversos grupos sociais relativas ás suas linhas de pesquisa: família, gênero e sexualidade. Vale ressaltar a produção deste núcleo em saúde e outras questões como corpo, pobreza e etnicidade que fazem interface com as temáticas fundantes do núcleo, verdadeiros eixos catalisadores das reflexões e debates.

 

 

 

polifonia do dom
Livro: Polifonia do Dom
Organizadores: Paulo Henrique Martins,Roberta Bivar C. Campos 
ISBN: 85-7315-344-X
Ano: 2006
Editora: Universitária UFPE

Quais são o uso do dom? Neste livro o leitor descobrirá que o dom ou a dádiva não é apenas o sistema de trocas primárias de doações, recebimentos e devoluções de bens simbólicos e materiais entre os seres humanos, tais como: serviços, hospitalidades, gentilezas, presentes e festas.
A dádiva é também um recurso teórico fundamental para se compreender temas diversos de interesse para as ciências sociais como aqueles da associação e da política, da sociabilidade e da moral, da solidariedade e da inclusão. Esta é a proposta do livro.

 

 

 

antropolgia francesa no sculo xx
Livro: Antropologia francesa no século XX
Organizadores: Miriam Pillar Grossi,Antonio Motta,Julie Antoinette Cavignac    
ISBN: 85-7019-439-0
Ano: 2006
Editora: Massangana 

Este livro oferece um excelente panorama da antropologia francesa durante o século xx. Geralmente descrita ao mesmo tempo como extremamente inovadora mas também teórica, abstrata e até “intelectualista”, afastada, em todo caso, da base empírica das pesquisas do campo. As contribuições aqui reunidas expressam bem esta representação contrastada, trazendo-lhe ao mesmo tempo indispensáveis nuances e correções.

 

 

 

os garimpeiros em paracatu
Livro: Os Garimpeiros em Paracatu: história recente, características sociais, cultura e desafios
Organizadores: Parry Scott,Mônica Franch,Pedro Nascimento,Marion Quadros      
ISBN: 85-7315-291-5
Ano: 2005
Editora: Universitária da UFPE

Este registro da atividade garimpeira na história recente de Paracatu procura representar e valorizar o ponto de vista do garimpeiro, respeitando a sua própria cultura e organização social, apresentando, de uma forma sucinta,

  • Como o garimpo marca a história de Paracatu desde as suas origens;
  • As forças que tornam o garimpeiro local um grupo social em plena contração;
  • A sua compreensão das fases da história recente do garimpo;
  • As características sociais predominantes dos garimpeiros;
  • Os valores que norteiam a sua visão de atividade garimpeira;
  • Os conflitos e desafios atuais que enfrentaram até 2001.

Esperamos, ao fazer estas informações disponíveis em forma breve, escrita e ilustrada, contribuir para um diálogo melhor informado entre os diversos atores sociais que almejam uma vida melhor para quem reside em Paracatu.

 

 

 

ritmos do imagnrio
Livro: ritmos do imaginário
Organizadora: Danielle Perin Rocha Pitta
ISBN: 85-7315-286-9
Ano: 2005
Editora: Universitária UFPE

Este livro representa uma comemoração e uma homenagem. Comemoração de trinta anos de trabalho e também uma homenagem àquele que inspirou está caminhada, o meu mestre Gilbert Durand. A ele devo o fato de ter uma vida ensolarada na qual as sombras se tornavam convites ao conhecimento. Penetrando no universo do símbolo passei a ver e compreender o mundo com os olhos derivados de Bachelard: passei a ver a beleza do mundo. Sonhar, devanear, rir, brincar, usufruir do corpo, fazer uma ciência feliz deixaram de ser vistos como “pouco sério”, não recomendável.

 

 

 

roger bastide hoje raa religio saudade e literatura
Livro: ROGER BASTIDE Hoje: raça, religião, saudade e literatura
Organizador: Roberto Motta
ISBN: 85-373-0021-7
Ano: 2005
Editora: Bagaço

Esta publicação é o resultado de duas sessões especiais realizadas em junho 2004, no Recife, sob a coordenação do professor Roberto Motta, da Universidade Federal de Pernambuco, e da professora Fernanda Arêas Peixoto, da Universidade de São Paulo, durante a XXIV Reunião da Associação Brasileira de Antropologia, em homenagem a Roger Bastide – antropólogo, sociólogo, escritor em francês e português, um dos expoentes da pesquisa sobre as religiões afro-brasileiras e sobre o sistema de relações raciais em nosso país.

 

 

 

iniciao  teoria do imaginrio de gilbert durand
Livro: Iniciação à teoria do imaginário de Gilbert Durand
Organizadora: Danielle Perin Rocha Pitta
ISBN: 85-88080-20-6
Ano: 2005
Editora: Atlântica

Este livro, dirigido por Danielle Perin Rocha Pitta, explica e esclarece para iniciante os conceitos fundamentais do pensamento de Gilbert Durand, e mostra a sua originalidade no meio dos grandes pensadores do imaginário do século XX, como Gaston Bachelard, Mircea Eliade, Henry Corbin ou Edgar Morin.

 

 

 

maria entre os vivos
Livro: Maria entre os vivos: Reflexões teóricas e etnografias sobre aparições marianas no Brasil
Organizadores: Carlos Alberto Steil,Cecília Loreto Mariz,Mísia Lins Reesink
ISBN: 85-7025-717-1
Ano: 2003
Editora: UFRGS

As aparições marianas contemporâneas com seus videntes e mensageiros têm ocupado um lugar importante nas franjas do catolicismo brasileiro ao longo das últimas décadas do século passado e no início deste. As ciências sociais apenas recentemente têm procurado acompanhar esse fenômeno transformando-o num objeto de pesquisa. Os estudos sobre terra, no entanto, vêm mostrando que esses eventos possuem tal densidade e força simbólica que podem ser tomadas como privilegiados de compreensão e interpretação da religião no mundo contemporâneo. Esta coletânea reúne, pela primeira vez no Brasil, os resultados de pesquisas que antropólogos, sociólogos e historiadores têm desenvolvimento em diferentes regiões do país sobre aparições de Maria.

 

 

 

economia indgena
Livro: Economia Indígena: Situação Atual e Problemas Relacionados a Projetos Indígenas de Comercialização na Amazônia Legal
Organizador: Peter Schroder
ISBN: 85-7315-195-1
Ano: 2003
Editora: Universitária UFPE

Este livro é uma introdução geral ás economias indígenas na Amazônia legal e ás experiências com projetos concebidos em torno delas. Resultando de uma consultoria para o Projeto Integrado de Proteção á Populações e Terra Indígenas da Amazônia Legal  (PPTALL), projeto demarcatório no âmbito do Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais no Brasil (PPG7) sua linguagem é propositadamente mais técnica que teórica. O livro dirige-se principalmente a iniciantes em economia indígenas, como estudantes de cursos de antropologia ou ciências sociais, mas também com projetos indígenas em organizações não governamentais, órgãos governamentais e agências de cooperação técnica internacional.

 

 

 

identidade fragmentao e diversidade na amrica latina
Livro: Identidade, fragmentação e diversidade na América Latina
Organizadores: Parry Scott,George Zarur
ISBN: 85-7315-323-7 
Ano: 2003
Editora: Universitária UFPE

Os participantes do grupo de Trabalho Identidades na América Latina, reunidos na Universidade Federal de Pernambuco no Recife, se debruçaram sobre o próprio conceito de identidade num mundo caracterizado cada vez mais por uma diversidade cujos eixos organizadores reportam a um mundo globalizado que contempla uma multiplicidade de ideologias e práticas. Assim, o enfoque caiu sobre a questão da fragmentação e diversidade de objetos sociais e culturais diversos como um problema centra do pensamento “pós-moderno” e reflexão antropológica. A fragmentação das identidades nacionais, e o enfraquecimento político do estado-nação é um fenômeno global claramente perceptível. Na América Latina, assume cores mais dramáticas. Daí a ênfase em cargos e movimentos sociais e em identidades a eles associadas, de negros, de índios, de mulheres, de políticos, de militares, de moradores de bairro, de homossexuais, de religiosos, de imigrantes, e até o reforço das velhas identidades associadas á diversidades regional e á nacionalidade.